Arquivo da tag: Pastor Cabral

15 Anos de Ministério Pastoral

No dia 27 de março de 1999 assumi o pastorado da Igreja Batista do Passo D´Areia.  Neste domingo (30/03/2014) nossa igreja realizou um Culto de Ação de Graças alusivo aos 15 anos do Ministério Pastoral que tenho exercido na I.B. Passo D´Areia.

Comecei meu pastorado com 24 anos, dois anos de casamento e esposa grávida. A Igreja possuía cerca de 60 membros e nenhuma congregação ou frente missionária. Nossas dependências eram precárias, os recursos financeiros pequenos, mas essa conjuntura não me desanimou, pois o Senhor tinha gerado sonhos e visão espiritual para o futuro da igreja.

Ao longo destes 15 anos fizemos muitas coisas. Hoje somos cerca de 400 membros, já ajudamos na plantação de 2 novas igrejas Batistas no RS e na revitalização de outras 2. Atualmente estamos cooperando na plantação de 6 igrejas no RS  e dezenas de frentes missionárias em Cuba. Também já treinamos e enviamos vários pastores para servirem no RS, em outros estados do Brasil e também em outros países. Temos sido uma igreja com uma forte presença missionária, tanto no apoio a obreiros que atuam no campo, quanto no envio de novos missionários. Temos bons resultados na área de ação social com a fundação do Instituto Passos, uma ONG que atua na área de educação e proteção de crianças. Desenvolvemos e potencializamos vários ministérios, melhoramos em muito as instalações da igreja, tanto templo como outros espaços. Temos apoiado diferentes ações de nossa denominação e igrejas parceiras.

Por pastorear a mesma igreja por 15 anos, tenho tido a alegria de ver os resultados do ministério. Acompanhando famílias cujos filhos eram pequenos quando cheguei, mas hoje estão casados, com carreiras encaminhadas e crescendo na fé e no compromisso com Deus. Outa alegria tem sido ver meus filhos na fé crescendo no Ministério, tornando-se pastores, missionários, líderes na igreja e cooperando em diferentes áreas do Reino de Deus.

Ocorreram momentos difíceis, crises, dias maus, frustrações e outros dramas, mas quando coloco tudo na balança, o saldo é prá lá de positivo. As dores do ministério me fizeram crescer, exercer a humildade, o perdão, a auto crítica e a perseverança. O valor do nosso ministério é proporcional aos sacrifícios que fizemos ao longo do tempo.

Olhando para esses 15 anos, a palavra que melhor expressa meus sentimentos é “EBENÉZER: até aqui nos ajudou o Senhor” ISm 7.12. Essa expressão tem duas perspectivas:

1ª Perspectiva: “Até aqui nos ajudou o Senhor” significa que já temos o que celebrar. O Senhor nos tirou de onde estávamos e nos trouxe até aqui. Ele nos moveu, nos proporcionou avanços, livramentos, experiências e vitórias. Chegar “até aqui” revela uma trajetória, uma história e merece uma celebração cheia de gratidão pela bondade e fidelidade de Deus.

2ª Perspectiva: “Até aqui nos ajudou o Senhor” significa que ainda temos um caminho a percorrer. Não chegamos até o final, chegamos até um pedaço do caminho. Nosso alvo é chegar lá. Portanto, não podemos parar e ficar na zona de conforto, nosso alvo é continuar avançando, buscando concluir a missão que recebemos do Eterno.

Sou grato a Deus por ter chegado “até aqui”. Mas não estou conformado com isso. Quero prosseguir e chegar “até lá”. Que o Senhor continue me ajudando nas pequenas e grandes tarefas, pois, estou certo, que sem Jesus nada possa fazer.

Fique a vontade para comentar esse texto abaixo e divulga-lo em suas redes sociais.

IMG_4080

A Fidelidade de Deus de Geração em Geração

O Salmo 90 inicia com uma afirmação extraordinária: “Senhor, tu tens sido nosso refúgio, de geração em geração”. Quando olho para minha história de vida, vejo a fidelidade de Deus se manifestando a quatro gerações. Minha bisavó Dionísia Antunes dos Santos se converteu na cidade de Santo Ângelo, mesmo meu bisavô não tendo se convertido, ela educou seus 13 filhos nos caminhos do Senhor. Foi uma dedicada discípula de Jesus Cristo, congregou sua vida inteira na Assembleia de Deus. A maioria de seus filhos também se converteram e seguiram a fé de sua mãe, entre elas, minha avó, Carmem dos Santos Cabral, que tornou-se esposa de meu avô Julio Cabral, com quem teve três filhos naturais, um enteado e uma filha adotiva. Ao lado do meu avô serviu ao Senhor com fidelidade por toda sua vida, sendo a maior parte dela na Igreja Assembleia de Deus. Minha mãe cresceu no Evangelho, também aprendendo desde a infância os ensinamentos bíblicos. Em um período de sua vida, após divorciar-se de meu pai, ficou alguns anos afastada de Cristo, mas mesmo longe, havia promessas de Deus para a vida dela, e o Senhor acabou alcançando minha mãe novamente e a trazendo de volta para a casa do Pai. Logo após seu retorno, foi minha vez de me converter, na Igreja Batista de Osório, onde fui discipulado e enviado para o Seminário. Em 1997 casei com Ana Paula, em 1999 nasceu nossa primogênita Sarah e em 2003 nosso caçula Miguel, que já são, por parte da minha família, a quinta geração de cristãos evangélicos.

Entretanto, ao analisar a história da fé da minha esposa, chegamos ainda mais longe. Seus tataravós já eram convertidos ao evangelho, e desde então, todas as gerações seguintes continuaram crendo em Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador. Isso faz com que nossos filhos, pelo lado de sua mãe, sejam cristãos evangélicos de sexta geração.

66

Ao refletir sobre esse histórico espiritual de minha família, posso também declarar: “O Senhor tem sido nosso refúgio, de geração em geração”. Muitas bençãos que aconteceram ao longo da minha vida são resultado de sementes que foram plantadas e regadas por meus antepassados, que através da oração, do exemplo e de ensinamentos foram pavimentando o caminho para as próximas gerações. Obrigado Bisavó Dionísia, que na sua geração tomou uma decisão que mudou o futuro de seus descendentes. Obrigado Vó Carmem que deu continuidade a esse processo. Obrigado mãe que também prosseguiu pelo mesmo caminho. Agora é a minha vez de preparar o caminho para meus filhos e as gerações futuras. Que o Senhor me ajude a transmitir amor, compromisso e devoção as próximas gerações.

Se você também é um cristão evangélico de 2ª, 3ª ou 4ª geração agradeça a Deus pela vida daqueles que vieram antes de você. Mas se você é um cristão de 1ª geração, faça de seu testemunho familiar um instrumento para mudar o futuro de seus descendentes, que em você comece uma nova história para sua família.

Compartilho abaixo um lindo vídeo que nossa igreja produziu a respeito da fidelidade de Deus de geração em geração, vale a pena conferir.