Arquivos da categoria: Opinião

Entender para Crer ou Crer para Entender?

O pensamento teológico cristão vem sendo desenvolvido a mais de dois mil anos. São séculos de reflexão teológica profunda, onde mentes brilhantes foram sistematizando a doutrina cristã. Ao estudar a construção das bases da fé do cristianismo surge a seguinte questão: precisamos entender para crer ou crer para entender? Esse debate não é recente e segue sendo atual.

Vamos refletir a respeito dele, através de um exemplo. Nos três primeiros séculos da cristandade muito se debateu a respeito da divindade de Cristo. A ortodoxia afirmava que Jesus era 100% homem e ao mesmo tempo 100% Deus. Mas como explicar isso?

Na tentativa de fazê-lo surgiram movimentos como Ebionismo (que afirmava que Jesus era um profeta mas não era Deus) e o Docetismo (que acreditava num Jesus que era apenas espírito, sem nenhuma humanidade).  Todos esses movimentos foram considerados hereges e rejeitados pelos pais da igreja e se diluíram com o tempo. Refletindo a respeito desta experiência, percebe-se que na busca de facilitar a compreensão humana, corre-se o risco de afastar-se dos fundamentos bíblicos, por mais difícil que seja explicar como alguém pode ser 100% homem e 100% divino ao mesmo tempo, as escrituras afirmam que Jesus era Deus (Jo 8.58) e homem (Fl 2.6-8). Assim como é difícil compreender a Trindade (um único Deus que se manifesta em três pessoas diferentes), a salvação através da morte de Jesus, a vida eterna após a morte, entre tantos outros temas.

Mas afinal, precisamos entender para crer ou crer para entender? A história revela que sempre que se busca primeiro entender para  crer, o resultado dessa escolha afastou o homem de Deus e fez com que o homem criasse para si um deus a sua imagem e de acordo com seu pensamento. Vide o exemplo das heresias dos primeiros séculos e do Liberalismo Teológico. Sempre que tentamos conhecer Deus pelo caminho da razão, nosso conhecimento será incompleto e por vezes incoerente com o texto bíblico. O caminho para conhecer o Deus revelado pelas Escrituras Sagradas, que se manifestou em Jesus Cristo, é inverso, ele requer primeiro crer para depois entender.

A fé é a lente com a qual compreendo a revelação bíblica, pois os fundamentos do cristianismo não são científicos, seus pressupostos requerem fé. Por isso precisamos primeiro crer para aí sim entender o Evangelho. Que não nos falte fé para compreender e viver os fundamentos do cristianismo!!

crer para entender

Muito mais que Futebol

O ano 2016, do ponto de vista futebolístico, será inesquecível nas minhas memórias, pois vivi algumas alegrias enormes. Pela primeira vez minha mãe foi assistir um jogo do Grêmio. Ela sonhava com isso e em novembro deste ano, ela, seus dois filhos e meus dois filhos fomos assistir Grêmio x Cruzeiro, na semifinal da Copa do Brasil. O resultado classificou o Tricolor para a final da competição. Uma outra alegria foi ter ido a final da Copa do Brasil com meus filhos. Foi a primeira final que assistimos juntos no estádio. Muita emoção e euforia com a conquista do Penta Campeonato. Naquela noite não foi só uma partida de futebol, mas um momento pai & filhos, que proporcionou uma ligação afetiva comum, pois torcíamos pelo mesmo time e nos alegramos pela mesma razão. Eu e eles que tantas vezes ficamos frustrados com derrotas doloridas do Grêmio, que por anos aguentamos as cornetas coloradas por não ganharmos títulos, agora estávamos unidos na mesma alegria. Como escrevi antes, não era só futebol, era muito além disso.

Ao longo da minha vida já tinha visto o time do meu coração conquistar o Mundial de Clubes, duas Libertadores, Recopa, dois campeonatos brasileiros, quatro Copa do Brasil, a Batalha dos Aflitos , mas meus filhos adolescentes não conheciam a alegria de ver o Grêmio campeão, por isso, viver com eles essa experiência foi algo inesquecível. Nelson Rodrigues afirmou que “o futebol é a coisa mais importante, dentre as menos importantes”. Ele estava certo, pois é muito mais que um jogo, é uma ligação afetiva com um clube e com pessoas que amamos.

Um outro acontecimento marcante no mundo do futebol, foi o rebaixamento do Inter para a Série B. Por diversas vezes falei aos meus amigos colorados: “Ainda terei a alegria de ver o Inter na série B”. Eles não acreditavam e desdenhavam minhas palavras, mas chegou a vez deles passarem o que nós gremistas já passamos. Agora será a vez deles ouvirem as cornetas, que por muito tempo escutei. A corneta é uma forma carinhosa de brincar com os amigos, sem ela o futebol não seria tão fascinante.

Pelas lentes do futebol o ano 2016 foi maravilhoso para o Gremistas, foi tão incrível, que ao invés de chamar o próximo ano de 2017, irei chama-lo de 2016 S, pois o que é bom, precisa durar um pouco mais. Sim, 2016 será inesquecível!

Penta

A torcida que mais sofre no Brasil atualmente

Sou Gremista e como todo tricolor os últimos 15 anos não tem sido fácil. Período de frustrações no futebol, muita corneta por parte dos colorados e intermináveis teses e explicações sobre a razão de tanto insucesso do nosso time do coração.

A torcida do Grêmio é considerada por várias pesquisas a maior e mais fanática do Sul do Brasil. Por isso, o sofrimento tem sido grande. Acredito que somos a torcida que mais está sofrendo no Brasil desde 2011. Fiz uma pesquisa levando em conta os 20 clubes da Série A do campeonato Brasileiro e inclui ainda o Vasco, que apesar de estar na Série B, é um grande clube de massa. De 2011 até maio de 2016, isso são cinco temporadas e meia, dos 21 clubes pesquisados, apenas dois não conquistaram um título no período, acreditem se quiser, Ponte Preta e Grêmio. Até o América de Minas Gerais, que não ganhava nada a 15 anos, conseguiu o título do campeonato mineiro em 2016. Mas entre a cobrança da torcida do Ponte e a do Grêmio, com certeza, a cobrança é muito maior em cima do tricolor gaúcho.

Silas foi o último treinador campeão pelo Grêmio, em 2010, depois de sua saída, passaram pelo clube vários treinadores como Renato Portalupi, Celso Roth, Luxemburgo e Felipão, mas nenhum deles conseguiu conquistar um título, o atual, Roger Machado, parece que seguirá a sina dos últimos treinadores.

Direção do Grêmio, comissão técnica e jogadores atentem para essa situação e lutem para mudar essa realidade, que tem trazido sofrimento para essa imensa torcida.

Confira abaixo os títulos conquistados pelos 20 clubes da Série A + o Vasco da Gama.

1 – Atlético Mineiro

Libertadores 2013

Recopa Sulamericana 2014

Copa do Brasil 2014

Campeonato Mineiro 2012, 2013 e 2015

2 – Cruzeiro

Campeonato Brasileiro 2013 e 2014

Campeonato Mineiro 2011 e 2014

3 – Atlético Paranaense

Campeonato Paranaense 2016

4 – Coritiba

Campeonato Paranaense 2011, 2012, 2013

5 – Bahia

Campeão Baiano 2012, 2014 e 2015

6 – Vitória

Campeão Baiano 2013 e 2016

7 – Flamengo

Copa do Brasil 2013

Campeão  Carioca 2011 e 2014

8 – Fluminense

Campeonato Brasileiro – 2012

Campeão Carioca – 2012

9 – Botafogo

Campeão Carioca 2013

10 – Vasco

Copa do Brasil 2011

Campeão Carioca 2015 e 2016

11 – Corinthians

Libertadores 2012

Mundial de Clubes 2012

Recopa Sulamericana 2013

Campeonato Brasileiro 2011 e 2015

Campeonato Paulista  2013

12 – Palmeiras

Copa do Brasil 2012 e 2015

13 – São Paulo

Copa Sulamericana 2012

14 – Santos

Libertadores 2011

Recopa Sulamericana 2011

Campeonato Paulista 2011, 2012, 2015 e 2016

15 – Inter

Recopa Sulamericana 2011

Campeonato Gaúcho 2011,2012,2013,2014,2015 e  2016

16 – América Mineiro

Campeonato Mineiro 2016

17 – Chapecoense

Campeonato Catarinense 2011 e 2016

18 – Sport Recife

Copa do Nordeste 2014

Campeonato Pernambucano 2014

19 – Santa Cruz

Copa do Nordeste 2016

Campeonato Pernambucano 2011, 2012, 2013, 2015, 2016

20 – Grêmio

Nenhum título desde 2011

 21 – Ponte Preta

Nenhum título desde 2011

Gremistas

Desabafo de um pai

Tenho dois filhos, Sarah com 16 anos e Miguel com 12. Ambos nasceram e seguem até o momento vivendo em Porto Alegre. Mesmo procurando estar o maior tempo possível com eles, é impossível acompanha-los o tempo todo, em algum momento eles precisam voltar da escola de ônibus ou  ir a algum local caminhando ou com transporte público. Porém, como pai, estou revoltado e ao mesmo tempo sem saber o que fazer, pois minha filha já foi assaltada 7 vezes e meu filho 3 vezes, sendo a última vez, hoje a tarde.

Minha filha já  foi assaltada indo ou voltando da escola, no trajeto até o Shopping, numa caminhada perto de uma praça de nossa residência, sempre durante o dia, seja pela manhã ou a tarde, e na maioria das vezes por delinquentes com menos de 18 anos, que usavam facas ou arma de fogo. Já o Miguel nas três vezes que foi assaltado estava indo ou voltando da escola, sempre com a mochila e o uniforme escolar. Dos 3 assaltos que Miguel sofreu, dois foram este ano.

Meus filhos estão com medo de sair de casa e nós  com medo que eles saiam sozinhos. É uma tragédia social quando adolescentes não podem ir para a escola de transporte público, por medo de serem assaltados. Que tipo de sociedade é essa, que é incapaz de garantir o acesso a escola em segurança para crianças e adolescentes??

Meus filhos estão crescendo sob a égide do medo da violência urbana. Esse é um grave sintoma que nossa sociedade caminha para a barbárie.

Infelizmente a delinquência juvenil está crescendo assustadoramente. O número de adolescentes que estão praticando assaltos é cada vez maior. Quando um garoto de 14 ou 15 anos começa a assaltar ele já escolheu o estilo de vida que quer seguir e a partir daí, as chances de mudar o rumo da vida dele são pequenas. A nossa sociedade não recupera delinquentes, ao invés disso, produz em escala cada vez maior, o número de pessoas que escolhem a criminalidade.

O que fazer????

Bem, isso merece um novo texto que em breve escreverei. Por enquanto, registro meu desabafo com essa violência urbana, cada vez maior.

Violência-urbana-e-o-medo-infantil

Querida Igreja??? Conta outra!!!

Recentemente li um artigo publicado pelo site www.cristaoscansados.net, escrito por John Pavlovitz, onde o autor enumera as razões pelas quais as pessoas deixam a igreja.

É mais um entre outros textos que elegeram a Igreja como a vilã do Cristianismo. Segundo o autor as pessoas deixam a igreja porque  ela realiza cultos ralos, sua linguagem é morta,  sua visão não vai além das paredes, luta pelas batalhas erradas e seu amor não parece amor.

Gostaria de saber qual igreja ele está criticando. Uma igreja em particular, a igreja que ele pastoreou no passado (Igreja Metodista Good Shepard), todas as igrejas do mundo, algumas igrejas que ele conhece, as igrejas  históricas, as pentecostais, enfim, a crítica quando é genérica torna-se perversa e injusta.  Assim como é injusto chamar todos os muçulmanos de terroristas é um absurdo caracterizar todas as igrejas locais dentro deste estereótipo que John Pavlovitz descreveu.

Conheço muitas igrejas locais onde os cultos são inspiradores, onde a palavra de Deus é anunciada com coerência bíblica e relevância. Assim como conheço várias comunidades cristãs que tem uma abordagem contextualizada, comunicam-se de uma forma compreensível ao povo. Também posso relatar um grande número de igrejas cuja visão tem alcançado e abençoado pessoas nas mais distintas situações, igrejas que estão envolvidas em ações missionárias, evangelismo, auxilio aos necessitados, apoio aos doentes, cuidando de crianças e influenciando sua cidade. Poderia também enumerar várias igrejas locais que estão lutando por questões relevantes e outras tantas que demonstram seu amor ao próximo de tantas maneiras cativantes e altruístas. Ao contrário de alguns, tenho uma profunda admiração por aquilo que muitas igrejas locais fazem ao redor do mundo. Também tenho muito cuidado ao criticar o Corpo, porque quem ataca o Corpo de Cristo, também está ferindo o Cabeça da Igreja.

Mas o que levou John Pavlovitz a escrever esse artigo? Será que ele é um cristão piedoso que foi incompreendido pela igreja onde pastoreava?? Será que foi injustiçado??

Bem, recomendo que os leitores leiam os pensamentos e teses desse pastor em seu site: www.johnpavlovitz.com. Também leiam uma reportagem feita pelo portal Gospel Prime http://noticias.gospelprime.com.br/pastor-filho-gay-deus-criou-assim/

Após tomar conhecimento do conteúdo de seus textos constatei que ele é um ativista do movimento LGBT, que seu problema não é com a falta de amor ou de visão dos cristãos, mas com as Escrituras Sagradas. Ela deveria assumir publicamente que não acredita na Bíblia como Palavra de Deus e por isso, resolveu sair da igreja. Mas como isso não seria correto teologicamente, prefere ficar usando a igreja como pretexto, para fazer aquilo que está descrito em (2Tm 3.1-5).  Na verdade, o problema dele não é com a Igreja, é com os ensinamentos de Deus e em última análise, com o próprio Deus.

Outra curiosidade sobre John Pavlovitz, é que ele deixou uma igreja local para começar uma igreja virtual. Ele afirma em seu site que se dedica em tempo integral  a escrever post para seu site, dar conferências  e está trabalhando para criar uma igreja virtual, onde inclusive, já está pedindo doações para financiar seu projeto. Também fiquei surpreso com seu relato sobre sua participação em cultos de uma Igreja LGBT nos USA. Quem quiser saber o que ele pensa sobre isso, confira seu artigo: http://johnpavlovitz.com/2015/01/12/singing-songs-with-unicorns-my-weekend-with-lgbt-christians/

Havia algo que me intrigava com o título da crônica, publicado no site dos Cristãos Cansados, pois o título está da seguinte forma: Querida Igreja, saiba realmente porque estamos te deixando. Esse título não combinada com o texto. Fui em busca do texto original e o título originalmente do artigo é o seguinte: Church, Here’s Why People Are Leaving You. Part 1, publicado em 15 de agosto de 2014. Uma tradução mais literal seria: Igreja, porque as pessoas estão te deixando. Agora fica mais claro a intenção do autor. Não se trata de um texto publicado por alguém que ama e respeita a igreja, mas sim de alguém que não se considera parte dela, alguém que a combate e a agride.

Minha intenção com esse texto não é sair em defesa da Igreja de Jesus Cristo, pois não respondo por ela. Deixo essa prerrogativa ao Cabeça da Igreja. Respondo em parte por uma igreja local, composta por pessoas que com suas limitações tentam viver o Evangelho com simplicidade e dedicação. Somos uma comunidade que anuncia a Palavra de Deus com temor e graça. Nossos cultos são uma expressão de nossa fé e um testemunho para o mundo do nosso amor e compromisso com o Senhor. Nossa linguagem é simples e objetiva. Temos muito a aprender no que tange a falar para diferentes grupos, mas isso, não significa que nossa comunicação seja arcaica e morta. Nossa visão vai muito além da Rua Ariovaldo Pinheiro. Temos cooperado com a plantação de igrejas locais por vários lugares, alguns inclusive fora do país. Além disso, ensinamos nossos membros a servirem em suas comunidades e agirem como sal da terra e luz do mundo por onde circularem. Procuramos comunicar o amor de Deus de diferentes formas, cuidando de crianças, instruindo adolescentes e jovens, apoiando famílias em crise, levando comida para moradores de rua, visitando enfermos, oferecendo ajuda para muitas pessoas, enfim, mesmo sendo uma pequena igreja, somos um grupo que procura amar aqueles que cruzam nosso caminho. Por isso escrevi esse contraponto ao texto de John Pavlovitz. Principalmente, porque julgo importante que aqueles que leram e se identificaram com o texto dele, saibam melhor o que ele pensa e representa. Fico preocupado com os cristãos que se identificam com as posições desse ativista, talvez por se alimentarem tanto de seus escritos acabaram ficando cansados, talvez esse cansaço não tenha a ver com a igreja, mas com a luta que precisamos travar contra nossa carne, pois como disse Jesus: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente a sua cruz e siga-me” (Lc 9.23). Sim, isso pode cansar. Entretanto, escolhi continuar servindo a Deus na Igreja local que Ele me designar, pois entrei para a Igreja por causa de Jesus e por amor e obediência a Ele, seguirei nela por toda minha vida.

querida-igreja

A Bíblia e a doação de órgãos

Algumas pessoas possuem dúvidas acerca da doação de órgãos, questionam-se sobre se tal  prática é coerente com o ensino bíblico. Visando esclarecer essas questões, elaborei o presente texto.

Não há nenhum texto bíblico recomendando ou condenando a doação de órgãos. Os autores canônicos nunca abordaram esse assunto, pois no período bíblico essa possibilidade sequer era cogitada. Portanto, precisamos observar princípios teológicos universais, que aplicam-se a essa e outras questões correlatas.

A seguir, elenco alguns argumentos favoráveis a doação de órgãos, observando determinados princípios bíblicos, que entendo, autorizam tal prática.

O EXEMPLO DE JESUS -  Jesus doou sua vida em favor da humanidade. Ele entregou a si mesmo, para salvar a vida de outras pessoas. Ele não doou algum órgão, foi além, entregou seu corpo inteiro, para levar nossos pecados e transgressões. Ele ensinou que devemos dar nossa vida pelo próximo: “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos” João 15.13.

O PRINCÍPIO DA GENEROSIDADE  - A doação deve ser uma característica de todo cristão. O Evangelho orienta a doarmos  tempo, recursos financeiros, conhecimento entre outras coisas. Porque não doar também nossos órgãos? Já que passamos a vida doando algo, nada mais coerente que doarmos nossos órgãos após a morte. Como afirma as escrituras:  “Em tudo o que fiz, mostrei-lhes que mediante trabalho árduo devemos ajudar os fracos, lembrando as palavras do próprio Senhor Jesus, que disse: ‘Há maior felicidade em dar do que em receber’ “. Atos 20.35

O AMOR AO PRÓXIMO – A bíblia afirma: “Nisto conhecemos o que é o amor: Jesus Cristo deu a sua vida por nós, e devemos dar a nossa vida por nossos irmãos”. IJo 3.16. Doar órgãos é literalmente dar parte da nossa vida para alguém que está perdendo sua vida.

COLOCANDO-SE NO LUGAR DO OUTRO – Jesus ensinou um princípio que nos ajuda a tomar decisões: “Assim, em tudo, façam aos outros o que vocês querem que eles lhes façam; pois esta é a Lei e os Profetas”. Mt 7.12. Imagine se você ou seu filho estivesse precisando de uma doação de órgãos para sobreviver? Já conversei e conheci muitas pessoas na fila de espera por um transplante. Quando encontramos essas pessoas, nosso desejo de ajudar cresce significativamente. Através da doação, é possível ajudar esses indivíduos a viver com mais qualidade de vida e a superarem suas graves limitações.

Mas alguns  possuem o receio de doarem um órgão e ficarem sem ele na ressurreição ou na eternidade. Tal preocupação não é necessária, pois a bíblia ensina que no céu teremos um novo corpo, que será incorruptível e glorificado (1Co 15.35-44). Esse corpo que temos na terra ficará neste mundo, pois no céu teremos um corpo celestial, com outras características. Tanto aqueles que morreram queimados nas fogueiras da perseguição, como aqueles que foram devorados por leões nas arenas romanas, assim como os que foram tragados pelo mar ou morreram dormindo em seu leito familiar, todos terão um novo corpo, não mais limitado pelo pecado, mas glorificado pela graça de Deus.

Diante disso, estou seguro que não há nenhum impedimento teológico para a doação de órgãos. Sejamos, portanto, doadores em potencial.  Avise sua família que você é um doador. Deixe-os seguros que poderão autorizar uma eventual doação, sem nenhum constrangimento ou receio.  Doar órgãos é uma expressão de amor, sejamos aqueles que amam até o fim!!!

campanha-doacao-de-orgaos

Amigos para diferentes momentos

Sempre tive dificuldade em medir o quanto sou amigo de alguém e o quanto alguém é meu amigo. Escolher alguém como melhor amigo também sempre foi complicado e na maioria das vezes inviável. Por ter muitos amigos, com diferentes características sempre tive dificuldade em escalonar minhas amizades.

Creio que amigos são parte da nossa riqueza nesta terra. Bem-aventurado aquele que possui várias amizades. Tenho compartilhado minha vida ao lado de pessoas especiais, que são amigos extraordinários, pessoas que tornaram minha vida melhor.

Custei a entender, que ao invés de ter amigos mais importantes que outros, preciso ter amigos para diferentes momentos. Fazendo uma metáfora com o esporte, creio que existem quatro tipos de amigos.

AMIGO TORCEDOR – São aqueles amigos que torcem por você, são fontes de motivação e alegria. Cumprem um papel importante na vida, pois há momentos que precisamos de pessoas com essas características.

AMIGO JOGADOR – São aqueles que entram em campo com você. Ajudam nas tarefas da vida, dividem as cargas, dão cobertura e apoio.  São fontes de cooperação e possuem um maior comprometimento com aquilo que você está fazendo.

AMIGO TREINADOR – São aqueles que ensinam e inspiram a gente. São bons conselheiros e mentores. São fontes de ensinamentos, através deles conseguimos repensar a vida, fazer correções e mudanças. Nos ajudam a vencer nossos limites.

AMIGO DOUTOR – São aqueles que nos recuperam das lesões. São pessoas que nos ajudam na recuperação, são fontes de restauração. Através deles conseguimos voltar a jogar, cumprem um papel importante em nossa vida, pois nos acompanham em momentos de crise.

Essas ilustrações sobre amizade não são nenhum tese  sobre o tema, são apenas singelas metáforas associando esporte e amigos, por sinal, uma grande  combinação. Desejo cumprir na vida de meus amigos algum desses papéis, ou quando possível, mais de um deles. Também agradeço por cada amigo que cumpre ou cumpriu algum desses papéis em minha vida.

Por fim, concluo que mais importante que ter um melhor amigo, é ter amigos para diferentes momentos e amizades para a vida inteira.

Amigos

Abrindo voto para Presidente

Não sou identificado e nem militante de nenhum movimento político do Grêmio. Em cada eleição para o Conselho ou Presidente, ouço os candidatos e decido meu voto de maneira independente. Nunca estive tão empolgado com uma eleição para presidente do Tricolor como esta, pois conheço bem um dos candidatos.

Sou natural de Osório e há mais de 25 anos conheço Romildo Bolzan Júnior, que foi prefeito daquela cidade por três vezes. Neste período mostrou liderança, capacidade de gestão e visão empreendedora. Também mostrou facilidade em dialogar e trás consigo uma característica importante para quem deseja presidir o Grêmio: Ambição.

Romildo será um presidente obstinado por marcar sua gestão com títulos e entrar para a história do clube como vencedor. Teremos um presidente focado na busca por tornar o Grêmio campeão novamente tanto no RS, quanto no Brasil e mundo.  Com a liderança e a fome por conquista, Romildo levará o clube a novos títulos, tirando o tricolor da fila e conquistando o primeiro campeonato na Arena.

Por isso, recomendo aos meus amigos que são sócios do Grêmio a votarem em Romildo Bolzan Júnior para presidente do clube, no dia 18 de outubro de 2104. Creio que ele está preparado para essa missão. Sob sua liderança voltaremos a ser campeões e recuperaremos nossa hegemonia no RS e protagonismo no Brasil e Mundo.

Romildo

Copa do Mundo e Eleições

O voto é um exercício de cidadania. Nosso voto é uma expressão do nosso pensamento a respeito dos diferentes candidatos que são apresentados em cada eleição. Alguns votam segundo suas ideologias, outros de acordo com o perfil e biografia dos candidatos e também existem aqueles que  escolhem seu candidato, a partir das propostas apresentadas, da propaganda eleitoral, por indicação de um amigo, por um favor recebido  ou por outros critérios. Entendo que existem muitos fatores que influenciarão o eleitor nas eleições presidenciais deste ano, mas não acredito que entre eles esteja o resultado da Seleção Brasileira na Copa do Mundo.

Há muitas pessoas que estão dizendo que se o Brasil vencer a Copa do Mundo, isso beneficiará a campanha para reeleição da Dilma. Não acredito nisso. O Penta campeonato, por exemplo, não teve nenhum reflexo no desempenho do candidato governista.  Se o resultado da Copa do Mundo influenciasse na eleição presidencial, em 2002 o Lula não teria vencido a eleição, pois o candidato do governo era José Serra. Por esse mesmo raciocínio, em 2006 o Lula não poderia ser reeleito, pois naquele ano o Brasil foi eliminado da Copa do Mundo pela França nas quartas de final. Em 2010, a seleção brasileira novamente frustrou o povo, sendo eliminada na Copa pela Holanda, mas mesmo assim, a candidata governista venceu a eleição.

Vou torcer pela seleção brasileira na Copa do Mundo, sem nenhuma preocupação com qual candidato se beneficiará com um possível Hexa campeonato da Seleção Brasileira, porque o grande beneficiário com o esse título será o futebol brasileiro, pois quanto mais títulos a seleção possuir, mais valorizado serão os campeonatos nacionais, mais recursos financeiros serão destinados aos clubes, mais espaço na mídia, mais escolinhas de futebol, mais empregos diretos e indiretos relacionados ao futebol.

Portanto, não antecipe as eleições para o período da Copa do Mundo. Não tente politizar ou instrumentalizar o futebol. Torça pela seleção brasileira, vibre com suas vitórias e conquistas. O futebol é a coisa mais importante, entre as menos importantes. Concentre seu esforço para eleger seus candidatos para o Executivo e Legislativo para depois da Copa. Sugiro uma trégua na campanha eleitoral de 12 de junho a 13 de julho. É hora de ver a Copa do Mundo como uma celebração esportiva, um grande momento de lazer e incentivo ao esporte. Rumo ao Hexa Brasil!!!!

Copa

A Cultura da Permissividade

Há um conceito ideológico, cada vez maior no Brasil, em favor de uma cultura permissiva. Nos últimos 20 anos nossas leis, nossa educação e nossa moral tem se movido em direção a permissividade.

Nas escolas está cada vez mais difícil um aluno ser reprovado. Mesmo que ele tenha um desempenho baixo e com notas ruins. Os professores são orientados a aprovar mesmo sem méritos, afinal, dizem os arautos deste modelo, reprovar um aluno  faz mal a sua auto estima. Adolescentes e jovens usam drogas normalmente em qualquer espaço público, com a total tolerância das autoridades. Respeito por mais velhos e autoridades é cada vez mais raro.  O número de gravidez na adolescência é cada vez maior. Crianças começando a se envolver com crime cada vez mais cedo. Manifestantes saem às ruas em protestos promovendo quebra-quebra, enquanto a força policial assiste passivamente  a depredação do patrimônio público e privado. Uma imensidão de pequenos delitos são cometidos e nada se faz para puni-los, pois as forças de segurança precisam se dedicar aos grandes crimes de repercussão nacional. Enfim, estamos imersos numa cultura de permissividade. Enquanto a tolerância cresce os limites diminuem.

A mais nova ação em favor da cultura da permissividade é a Lei da Palmada, aprovada na Câmara dos Deputados no dia 21/5/2014. Essa lei não irá prender ou punir o pai que prosseguir dando palmadas em seus filhos, o máximo que ocorrerá serão advertências e encaminhamentos para serviços psicológicos. O Estatuto da Crianças e Adolescente já prevê as punições para os pais ou responsáveis que usarem de violência ou abuso contra seus filhos.  Portanto, não se trata de uma lei punitiva, mas sim ideológica, onde seu principal objetivo é promover um novo jeito de educar, baseado na seguinte equação: menos limites e mais permissividade. Ao invés da vara ou do chinelo tenha mais paciência e compreensão com seus filhos.

Uma outra mensagem que essa lei ideológica transmitirá é que todas as gerações anteriores a essa lei estavam erradas na maneira de educar seus filhos. A palmada representa o atraso e o obscurantismo educacional, enquanto que este novo conceito de educação representa o avanço da sociedade.

Estou convencido que por traz de tanta criminalidade está uma cultura de permissividade, cada vez mais hegemônica em nossa sociedade. Não iremos melhorar nossos indicadores de qualidade de vida, enquanto não revermos isso.  Urge, que nossa educação tanto em casa, quanto na escola, seja mais firme e incisiva em estabelecer limites, deveres e punições, caso contrário, a impunidade, a delinquência e o caos seguirá crescendo.

Vara