Seis Meses na Nova Sede

Quem diria, já passaram seis meses desde a inauguração da nova sede da Passo D´Areia Igreja Batista, agora situada na Rua Francisco Silveira Bitencourt, 1135. A impressão é que não vimos o tempo passar, pois foram meses de muito envolvimento, grandes desafios e experiências marcantes.

Quero dividir com meus leitores algumas informações sobre esses primeiros seis meses na nova sede. Vou pontuá-los para facilitar a leitura:

a) Cerca de 90% das pessoas que frequentavam nossas celebrações regularmente na antiga sede, estão participando dos cultos na nova sede. Temíamos que muitos não nos acompanhassem no novo endereço, o que não aconteceu. Ficou comprovado que não era o templo que unia nosso povo, mas sim, uma visão e um estilo de ser igreja.

b) Nestes seis meses a frequência de nosso culto de domingo a noite aumentou em mais de 30%. Tivemos mais de 50 conversões, cerca de 65 novos membros e no dia 03/9 faremos nosso primeiro batismo na nova sede. Mantendo essa tendência de crescimento terminaremos o ano com mais de 100 novos membros e uma frequência de 400 pessoas no domingo a noite.

c) Realizamos eventos para um público superior a 500 pessoas. Nosso auditório possui 500 cadeiras e já tivemos a alegria, de em algumas vezes, vê-lo lotado.

d) Conseguimos honrar nossos compromissos financeiros. Após a inauguração da nova sede ficamos com várias despesas elevadas, confesso que tive medo em não conseguirmos honrar tais obrigações, mas Deus moveu pessoas, circunstâncias e nos proporcionou grandes experiências nesta área.

e) O ambiente espiritual da igreja está muito bom. Nosso povo está crescendo em seu compromisso com Jesus, novos líderes estão sendo preparados, mais voluntários surgiram e cada vez fica mais claro para nosso povo, que somos uma igreja relacional, multiplicadora e focada em Jesus.

Ainda temos muito por fazer e muito a melhorar. Mas hoje quero celebrar aquilo que Deus nos proporcionou viver até aqui. Quero agradecer a essa fantástica comunidade chamada de Passo D`Areia Igreja Batista, um povo que ama Jesus, que tem crescido no envolvimento com o próximo e  buscado viver uma espiritualidade saudável. Pastorear essa igreja nos últimos 18 anos tem sido uma experiência extraordinária. Também agradeço a equipe pastoral da nossa igreja,  que tem vivido intensamente essa visão de expansão e procurado dia a dia honrar Jesus com nosso ministério. Há tanta gente em nosso meio, do qual sou devedor, líderes de PGM, equipes de Ministérios, membros da diretoria, funcionários, voluntários, colaboradores anônimos entre tantos valorosos servos e servas de Deus que estão em nosso meio.

Até aqui não citei o nome de ninguém, até para evitar injustiças e constrangimentos. Mas seria uma injustiça imperdoável não citar uma pessoa fundamental neste processo: Ana Paula Cabral. Sim, foi ela que me deu um suporte emocional e espiritual fundamental neste período. Sem ela eu não teria sobrevivido. Ela cuidou de minha saúde, do meu coração,  ajudou-me a lidar com inúmeras pressões e foi minha principal encorajadora.

Finalizo esse texto reiterando algo que falei e sigo falando desde que começamos a preparar nossa mudança de sede: Nosso objetivo final é glorificar a Deus com tudo que estamos fazendo. Tudo é por Ele e para Ele. Um conselho que recebi e que tenho observado é o seguinte: “Comece seus planos pelo final, e o final de tudo, é a glória de Deus”. Que Jesus nos ajude a nunca nos afastarmos deste propósito. Vamos em frente, vamos avançar!!

Nova sede

O que toda Criança Deveria Aprender com seu Pai

Creio que no plano ideal de Deus para a humanidade, toda criança deveria nascer numa família, onde pai e mãe fossem boas referências e cuidadores amorosos. Ninguém deveria crescer fora de um ambiente familiar funcional.

Ainda refletindo sobre o “modelo ideal”, creio que todo filho deveria ter seu pai como seu primeiro pastor, educador e juiz .

Primeiro pastor porque as Escrituras apresentam o homem como sacerdote do lar e líder espiritual da família. Quando o pai desenvolve esses papéis, a criança irá aprender desde cedo a viver o Evangelho na prática.

Primeiro Educador porque a educação e a formação para a vida iniciam em casa. É no ambiente do lar que a criança pode desenvolver o amor pelos livros, o gosto pelos estudos e aprender diferentes habilidades e valores para sua vida.

Primeiro Juiz porque é atribuição de cada pai ensinar seu filho sobre limites, desenvolvendo seu caráter e sua ética. Filhos que são disciplinados pelos seus pais, possuem melhores chances de não precisarem ser disciplinados por autoridades policiais e judiciárias.

Como escrevi no começo isso seria o plano ideal. Alguns filhos tem o privilégio de crescer com um pai que possui tais características. Alguns pais poderão se empenhar em cumprir tais funções. Mas o que fazer quando isso não foi possível acontecer???

A graça de Deus se manifesta de muitas formas, por isso, mesmo quando o plano ideal não se concretiza, um novo plano é desenvolvido. Quando uma criança cresce longe de seu pai ou perto de um pai que não cumpre tais funções, Deus usará outras pessoas para serem referências de uma espiritualidade saudável e de uma boa  formação educacional, moral e ética. Quando um pai falha, Deus coloca uma outra pessoa em nosso caminho para nos ajudar, afinal “As pessoas aprendem umas com as outras, assim como o ferro afia o próprio ferro” Pv 27.17.

Quem sabe Deus não irá usar sua vida para ajudar pessoas que cresceram longe de um pai, que precisam de boas referências de fé, integridade, trabalho e amor. O Novo Testamento mostra que podemos ser Pais na fé de alguém, que talvez precise de uma nova referência paterna em sua vida. Estou comprometido em ser um pai com essas funções para meus filhos biológicos e filhos na fé. E você??

pai

Entender para Crer ou Crer para Entender?

O pensamento teológico cristão vem sendo desenvolvido a mais de dois mil anos. São séculos de reflexão teológica profunda, onde mentes brilhantes foram sistematizando a doutrina cristã. Ao estudar a construção das bases da fé do cristianismo surge a seguinte questão: precisamos entender para crer ou crer para entender? Esse debate não é recente e segue sendo atual.

Vamos refletir a respeito dele, através de um exemplo. Nos três primeiros séculos da cristandade muito se debateu a respeito da divindade de Cristo. A ortodoxia afirmava que Jesus era 100% homem e ao mesmo tempo 100% Deus. Mas como explicar isso?

Na tentativa de fazê-lo surgiram movimentos como Ebionismo (que afirmava que Jesus era um profeta mas não era Deus) e o Docetismo (que acreditava num Jesus que era apenas espírito, sem nenhuma humanidade).  Todos esses movimentos foram considerados hereges e rejeitados pelos pais da igreja e se diluíram com o tempo. Refletindo a respeito desta experiência, percebe-se que na busca de facilitar a compreensão humana, corre-se o risco de afastar-se dos fundamentos bíblicos, por mais difícil que seja explicar como alguém pode ser 100% homem e 100% divino ao mesmo tempo, as escrituras afirmam que Jesus era Deus (Jo 8.58) e homem (Fl 2.6-8). Assim como é difícil compreender a Trindade (um único Deus que se manifesta em três pessoas diferentes), a salvação através da morte de Jesus, a vida eterna após a morte, entre tantos outros temas.

Mas afinal, precisamos entender para crer ou crer para entender? A história revela que sempre que se busca primeiro entender para  crer, o resultado dessa escolha afastou o homem de Deus e fez com que o homem criasse para si um deus a sua imagem e de acordo com seu pensamento. Vide o exemplo das heresias dos primeiros séculos e do Liberalismo Teológico. Sempre que tentamos conhecer Deus pelo caminho da razão, nosso conhecimento será incompleto e por vezes incoerente com o texto bíblico. O caminho para conhecer o Deus revelado pelas Escrituras Sagradas, que se manifestou em Jesus Cristo, é inverso, ele requer primeiro crer para depois entender.

A fé é a lente com a qual compreendo a revelação bíblica, pois os fundamentos do cristianismo não são científicos, seus pressupostos requerem fé. Por isso precisamos primeiro crer para aí sim entender o Evangelho. Que não nos falte fé para compreender e viver os fundamentos do cristianismo!!

crer para entender

Mantendo o Fogo do Altar Aceso

Os sacerdotes em Israel tinham várias atribuições referentes ao culto. Eles zelavam pelo tabernáculo, faziam os sacrifícios pelos pecados do povo, recebiam as ofertas, atendiam as pessoas, consagravam utensílios, ensinavam os desígnios de Deus entre tantas outras tarefas. Mas também estavam encarregados de outra responsabilidade: Manter aceso o fogo no altar do Senhor (Levítico 6.12-13)

O altar era o local do sacrifício. O altar precisava estar aceso 24h por dia, nos sete dias da semana. Era responsabilidade do sacerdote diariamente colocar lenha no fogo, pois a chama do altar não poderia apagar.  Proponho duas analogias sobre essa questão:

a) Pastores devem manter acesa a chama do altar na igreja. A Igreja precisa manter acesa a chama da evangelização, da devoção a Deus, do amor ao próximo, da vida em santidade. Os pastores que lideram a Igreja de Jesus na terra  precisam usar seus púlpitos, sua influência, seu empenho para manter o fogo do altar aceso. Igreja sem fogo no altar esfriará, e uma igreja fria, perderá o propósito para o qual existe.

b) Líderes devem manter acesa a chama do altar de seu ministério. Dentro da igreja existem vários ministérios, onde o povo de Deus exerce seus dons e pratica aquilo que aprende no Evangelho. Através deles, a igreja alcança os de fora e cuida os de dentro. Esses ministérios se desenvolvem a partir de líderes, que também possuem a responsabilidade de manter o fogo do altar aceso em seu ministério.

Que o altar de nossa igreja, bem como dos ministérios que ela desenvolve se mantenham acesos. As lenhas que manterão esse fogo aceso são  a oração, a adoração, a santidade e o amor. Que não nos falte lenha, para manter aceso, o fogo no Altar do Senhor.

Altar

Amigos Diferentes para Momentos Diferentes

Quem já não pensou que tinha poucos amigos?? Eu já tive tal pensamento. Mas pensando melhor a respeito do assunto, descobri que sou um afortunado, pois tenho amigos diferentes para diferentes momentos, sendo todos eles, de grande valor.

Tenho amigos que procuro para me divertir, pessoas com quem gosto de conversar, passar um bom tempo junto, falar sobre a vida sem muita profundidade, porque nem sempre estamos dispostos a conversar assuntos íntimos e complexos. São companheiros de risada, que tornam a vida mais leve e alegre, sem eles, minha vida teria menos brilho e alegria.

Tenho amigos para fazer algo em comum, são aqueles que gostam das mesmas coisas que eu, que somos parceiros para correr, jogar tênis, ir a praia, falar de futebol, política, trabalho…São com eles que vivemos e vida de forma colaborativa, com eles desenvolvemos passeios, projetos profissionais, atividades na igreja ou em outras organizações. São pessoas com quem dividimos nosso tempo e tarefas. Sem eles, não conseguiríamos fazer muitas coisas.

Tenho amigos que procuro quando preciso de conselhos. São aquelas pessoas que julgo aptas para me ouvirem  na minha intimidade, para dividir minhas maiores dores, aqueles que dou liberdade para me corrigirem e me ajudarem a resolver problemas sérios. São pessoas que conhecem minha história, possuem credibilidade e desfrutam da minha confiança. Esses amigos podem morar longe, posso vê-los só de vem em quando, mas quando preciso, posso procurá-los e sei que poderão me auxiliar. Sem eles, meus problemas seriam maiores e minha vida mais difícil.

Tenho amigos que procuro para aprender. São aqueles que me inspiram em determinadas áreas, são referência em determinados nichos ou assuntos. Conversar com eles, mesmo que uma vez ao ano, proporciona-me crescimento pessoal, profissional, espiritual…Eles me ajudam a ser uma pessoa melhor.

Não estou fragmentando a amizade, estou simplesmente ajustando minha expectativa, pois é muito difícil encontrar uma única pessoa que atenda todas essas necessidades relacionais. Ao invés de procurar um “Super Amigo”, procuro amigos, pessoas com limitações, com diferentes características, mas que me ajudem a seguir em frente nessa jornada chamada vida, onde todos os amigos possuem grande valor e são parte da minha riqueza nesta terra.

Não procuro um melhor amigo ou um super amigo. Procuro amigos diferentes, para diferentes momentos da vida.

Amigos diferentes

Muito mais que Futebol

O ano 2016, do ponto de vista futebolístico, será inesquecível nas minhas memórias, pois vivi algumas alegrias enormes. Pela primeira vez minha mãe foi assistir um jogo do Grêmio. Ela sonhava com isso e em novembro deste ano, ela, seus dois filhos e meus dois filhos fomos assistir Grêmio x Cruzeiro, na semifinal da Copa do Brasil. O resultado classificou o Tricolor para a final da competição. Uma outra alegria foi ter ido a final da Copa do Brasil com meus filhos. Foi a primeira final que assistimos juntos no estádio. Muita emoção e euforia com a conquista do Penta Campeonato. Naquela noite não foi só uma partida de futebol, mas um momento pai & filhos, que proporcionou uma ligação afetiva comum, pois torcíamos pelo mesmo time e nos alegramos pela mesma razão. Eu e eles que tantas vezes ficamos frustrados com derrotas doloridas do Grêmio, que por anos aguentamos as cornetas coloradas por não ganharmos títulos, agora estávamos unidos na mesma alegria. Como escrevi antes, não era só futebol, era muito além disso.

Ao longo da minha vida já tinha visto o time do meu coração conquistar o Mundial de Clubes, duas Libertadores, Recopa, dois campeonatos brasileiros, quatro Copa do Brasil, a Batalha dos Aflitos , mas meus filhos adolescentes não conheciam a alegria de ver o Grêmio campeão, por isso, viver com eles essa experiência foi algo inesquecível. Nelson Rodrigues afirmou que “o futebol é a coisa mais importante, dentre as menos importantes”. Ele estava certo, pois é muito mais que um jogo, é uma ligação afetiva com um clube e com pessoas que amamos.

Um outro acontecimento marcante no mundo do futebol, foi o rebaixamento do Inter para a Série B. Por diversas vezes falei aos meus amigos colorados: “Ainda terei a alegria de ver o Inter na série B”. Eles não acreditavam e desdenhavam minhas palavras, mas chegou a vez deles passarem o que nós gremistas já passamos. Agora será a vez deles ouvirem as cornetas, que por muito tempo escutei. A corneta é uma forma carinhosa de brincar com os amigos, sem ela o futebol não seria tão fascinante.

Pelas lentes do futebol o ano 2016 foi maravilhoso para o Gremistas, foi tão incrível, que ao invés de chamar o próximo ano de 2017, irei chama-lo de 2016 S, pois o que é bom, precisa durar um pouco mais. Sim, 2016 será inesquecível!

Penta

Obrigado Josileide

Em 2005 conheci Josileide Rodrigues. Ela veio participar de uma TRANS no Rio Grande do Sul e foi designada para servir em nossa igreja. Ali iniciou nossa amizade e minha admiração por ela. Ao finalizar a TRANS ela retornou para Recife, com o desejo de retornar a Porto Alegre mais adiante. Em 2009 ela voltou para o RS, para desenvolver um ministério de Capelânia Hospitalar. Desde então congregou em nossa igreja e se dedicou a essa e outras tarefas.

Cabral e Josileide 2

Em nossa igreja ela atuou em diferentes áreas. Desenvolveu treinamentos de capelânia, liderou o Ministério REVER, iniciou um grupo chamado Jardim de Oração, colaborou com tanas outras iniciativas, pregou a palavra de Deus, aconselhou pessoas, repartiu amor e honrou a Deus.

Após 9 anos servindo ao nosso lado, chegou a hora de retornar para Recife, onde vivem seus filhos e familiares. Ela sairá de Porto Alegre, mas Porto Alegre não sairá do seu coração. Deixará o Passo D´Areia, mas não deixará nossa vida, seguiremos unidos pelos laços do amor e da fé.

Agora, quando se aproxima a data de seu retorno para Recife, quero registrar minha gratidão pelos anos de serviços prestados ao Evangelho no RS. Sei que muitas sementes você semeou com lágrimas, mas pela graça de Deus, você está encerrando esse ciclo, apresentando a Deus seus frutos com alegria.

Cabral e Josileide 1

“Todos ganham, quando o líder melhora”

Comecei a exercer liderança na minha adolescência, quando aos 13 anos fui eleito presidente do Grêmio Estudantil da minha escola. Com o passar do tempo assumi outros cargos de liderança no movimento estudantil, dentro do partido ao qual era filiado e mais tarde na Igreja, em organizações eclesiásticas e sociais. Pelos meus cálculos, estou a cerca de 30 anos liderando pessoas e organizações.

Analisando minha trajetória  percebo que em muitos períodos não estava apto para exercer uma boa liderança. Cometi erros primários e não fui eficaz em determinados momentos. Em função da falta de preparo prejudiquei pessoas, organizações e a minha própria vida. Mas agradeço a Deus e a alguns conselheiros que me ajudaram a entender a necessidade de me qualificar para liderar melhor.

Meu desenvolvimento como líder foi através de cursos, congressos, leituras e mentoria.  Já perdi a conta de quantos livros sobre liderança li. Também já participei de inúmeros Congressos, conferências e cursos voltados para o desenvolvimento de líderes. Valorizo meus encontros com meus mentores. Graças a tudo isso, tenho me tornado um líder melhor e com isso, conseguido ajudar com mais eficácia aqueles que lidero.

Entre diversas boas conferências que participei, uma delas tem um valor especial em minha trajetória. Refiro-me ao The Global Leadership Summit. Já participei de 10edições desta conferência, algumas no RS e outras em outros estados. Ela tem uma proposta diferenciada, pois coloca no mesmo evento líderes de diferentes áreas, unindo empreendedorismo, crescimento de igreja, envolvimento social, gestão de pessoas e muito mais. Por acreditar que o Summit é uma excelente ferramenta para capacitar e inspirar líderes, nossa igreja irá sediar essa conferência em Porto Alegre novamente.

Se você exerce liderança em algum local, se está liderando pessoas, convido você a investir na sua capacitação. Quando mais você melhorar como líder, mais bem fará para sua comunidade. O slogan do Summit é: “todos ganham, quando o líder melhora”. Que tal melhorarmos como líderes, para o bem daqueles a quem lideramos.

Para maiores informações sobre o The Global Leadership Summit, acesse o site de nossa igreja: www.passodareia.com.br

Banner Summit 2016

Antes e Depois de Cristo

A história da humanidade divide-se entre Antes e Depois de Cristo. A influência de Jesus foi tão grande em nossa civilização, que seu nascimento é uma linha divisória em nosso calendário. Os ensinamentos do Filho de Deus estão em diversas áreas da sociedade. Sobre ética ele ensina a fazer ao próximo o que você deseja que seja feito a você; nas relações humanas declarou que devemos amar ao próximo como a si mesmo; em liderança trouxe o conceito do líder servo, ou seja, aquele que idera deve fazê-lo através do exemplo; na justiça pregou a respeito do valor da vida e de que Deus não faz acepção de pessoas;  na área social mandou cuidar dos pobres e deu atenção especial para aqueles que estavam em maior situação de vulnerabilidade, como leprosos, paralíticos, órfãos e viúvas; na família ensinou sobre casamento monogâmico e a proteção as crianças; na economia defendeu que o trabalhador é digno de seu salário e que devemos pagar nossos tributos…

O movimento que Jesus iniciou, chamado de cristianismo, influenciou nossa civilização nas mais diferentes áreas. Tal influência é resultado do exemplo e da mensagem de Jesus. Ele foi o grande referencial humano e sua mensagem ecoa por milênios.

Porém, a influência de Jesus não é apenas social mas, sobretudo, individual. Jesus continua dividindo nossa história pessoal. Minha vida, por exemplo, também pode ser dividida em Antes e Depois de Cristo. Com 18 anos, quando me tornei um cristão, o rumo da minha trajetória mudou, meus valores e estilo de vida foram modificados, meus sonhos foram outros e minha história não foi mais a mesma. Jesus mudou minha vida. Sua influência me tornou uma pessoa melhor, seus ensinamentos mudaram meu comportamento, seu amor encheu meu coração ao ponto de querer reparti-lo com outras pessoas.

Que Jesus também mude sua história. Que ele seja um divisor em sua linha do tempo, para que um dia você possa cantar essa canção, com a mesma alegria que canto:  “me perdi, mas Deus me achou, cego fui, mas me curou; sua graça é maravilhosa, mudou meu choro em alegria, mudou minha história”.

Fish Symbol on Cross ca. 2001

Igreja Relacional, o que é isso??

Vivemos um período onde existem muitas formas de ser e viver igreja. Nesta variedade de modelos, surge a necessidade de refletir a respeito da essência da igreja, daquilo que não podemos abrir mão e o que realmente deve ser priorizado. Tenho pensado a respeito desse tema, abaixo compartilho um pouco das minhas conclusões.

Acredito que a prioridade de um discípulo de Jesus é seu relacionamento com Deus e com o próximo. A partir desses relacionamentos, o cristão irá cumprir a grande comissão e viver os propósitos de Deus na terra. Logo, se nossa prioridade são esses relacionamentos, a igreja precisa ser um lugar que encoraja e promove esse relacionamento vertical e horizontal. Dessa compreensão surgiu a expressão Igreja Relacional.

Mas uma pergunta que surge é: “Como devem ser esses relacionamentos?”

Creio que nosso relacionamento com Deus e com o próximo deve ser Intencional, constante e motivado pelo amor.

A intencionalidade é fundamental para construirmos nossos relacionamentos. Através dela seremos pró-ativos no processo de construirmos pontes com outras pessoas ao invés de levantarmos muros. Ser constante preservará nossos relacionamentos, nutrindo eles através de uma convivência sustentável e duradoura. Mas além de ser intencional e constante precisamos da motivação certa, e ela deve ser baseada no amor a Deus e ao próximo.

Pelo exposto, entendo que a Igreja deve priorizar ajudar os humanos em seu relacionamento com Deus e encorajar as pessoas a construírem relacionamentos saudáveis com outras pessoas. O reino de Deus é um reino de amigos, pois Jesus nos convida a ser seus amigos e a fazer novos amigos. Sendo assim, que nosso evangelismo, discipulado e ministério sejam a partir de nossos relacionamentos.  Que assim seja!!

amigos